terça-feira, 9 de julho de 2024

Sacadura Cabral promovido por distinção atítulo póstumo ao posto de Contra-Almirante


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, homologou a promoção por distinção a título póstumo ao posto de Contra-almirante do Capitão-de-fragata Artur de Sacadura Freire Cabral. 

A proposta de promoção foi efectuada por deliberação do Conselho de Chefes deEstado-Maior, sob proposta do Chefe de Estado-Maior da Armada, e aprovada por despacho do Ministro da Defesa Nacional.

Artur de Sacadura Freire Cabral nasceu em 23 de maio de 1881, em Celorico da Beira. Em 1897, com dezasseis anos, ingressa na Escola Naval, como Aspirante de Marinha, tendo sido o primeiro classificado do seu curso. Em 1900 é promovido a Guarda-Marinha. Enquanto segundo-tenente comandou as lanchas-canhoneiras" Sabre", "Lacerda" a ainda o vapor "General Silvério". Com 34 anos é um dos onze candidatos seleccionados para a frequência de um curso de aeronáutica militar noestrangeiro, sendo que em 9 de março de 1915 concluiu as últimas provas necessárias do brevet militar de piloto, tendo sido considerado um "très bon pilote".

Sacadura Cabral ficou intimamente ligado à aviação naval. Oficial temerário, e um hábil piloto, dirigiu ao longo dos anos, como autoridade técnica, a aquisição de hidroaviões e material aeronáutico. Em 1922, juntamente com Gago Coutinho executa com sucesso a primeira travessia aérea do Atlântico Sul, que ligou Lisboa ao Rio de Janeiro, feito épico que os catapultou para as páginas da História de Portugal e da aviação mundial.

Fruto do sucesso dessa travessia histórica, em 1924, a Aeronáutica Naval foi autorizada a proceder à aquisição de cinco aviões "Fokker" comprados com dinheiro de subscrições públicas levadas a cabo em Portugal e noBrasil. Em 15 de novembro desse ano descolaram de Amesterdão três hidroaviões - "Fokker" 4146; "Fokker"4194 e "Fokker" 4197 - comandados por Sacadura Cabral com destino a Lisboa. A seguir à descolagem, e com um imenso nevoeiro, os aparelhos perderam contacto, indo o 4194 e o 4197 amarar em Brest e Cherburgo respectivamente. 

O 4146, comandado pelo Capitão-de-Fragata Sacadura Cabral e o Cabo mecânicoPinto Corrêa, nunca mais foi visto, sendo dado o alarme a todas as bases francesas e inglesas e aos navios que navegavam na região. Quatro dias depois foram encontrados no mar,  fragmentos de um flutuador do hidroavião de Sacadura.

No ano em que se cumprem 100 anos do seudesaparecimento, no cumprimento de uma missão, esta promoção, a título póstumo, a contra-almirante é a mais singela homenagem a um militar da Marinha, que, se não tivesse desaparecido prematuramente, a sua promoção ao almirantado surgiria de forma natural, tais as qualidades por si demonstradas e desempenho até então.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Ataques no Mar Vermelho tornam transporte marítimo mais poluído.

As emissões de carbono do sector do shipping aumentaram em 23 milhões de toneladas no 1° semestre deste ano, reflectindo um crescimento de 6...