terça-feira, 12 de julho de 2016

Depois de Fukushima, oceanos já recuperaram


Os cientistas acreditam que, após o acidente na usina nuclear japonesa de Fukushima1, o nível de radiação nos oceanos voltou ao normal. Esta conclusão consta do relatório do Comité Científico de Pesquisas Oceânicas (Scientific Committee on Oceanic Research), que reúne especialistas de todo o mundo.

O relatório é baseado em 20 medições dos níveis de radiação em diferentes partes do Oceano Pacífico — do Japão à América do Norte. Segundo os cientistas, as razões de redução da radiação nos oceanos são as correntes submarinas, que transportam as substâncias nocivas para o fundo do mar, onde elas parcialmente perdem as suas características. Os investigadores acreditam que durante cinco anos todas as substâncias radioactivas serão completamente dissolvidas na água ou serão inactivas.
No que diz respeito à fauna pelágica, como foi observado por um dos autores do relatório, o professor australiano de radioquímica Pere Masque, em 2011 cerca de metade das amostras de peixe nas águas costeiras de Fukushima continham uma quantidade de radiação significativamente acima da norma, mas, em 2015, este número caiu abaixo de 1%.
Assim, podemos esperar uma nova queda deste indicador, o que fará com que todo o peixe na área se torne saudável. Apesar disso, a vigilância da situação ecológica vai continuar.
Os resíduos radioactivos líquidos podem ser vertidos ao oceano de umamaneira especial ou ser armazenados em fossas oceânicas, diz o geoquímico russo e especialista em radio-ecologia Viktor Kopeikin:

"É costume considerar um prazo de armazenamento dos resíduos fortemente radioactivos de mil anos ou mais. Ao mesmo tempo, deve ser garantida a segurança do local de armazenamento. Mas quem realmente pode dar essa garantia? Vemos como em diferentes áreas, calmas durante milhares de anos, de repente ocorrem cataclismos fortes e muito destrutivos. Nem vale a pena falar do Japão, onde constantemente há perturbações".
Centenas de toneladas de água armazenada na usina nuclear da usina Fukushima foram purificadas de césio e estroncio. Mas o trítio (um isótopo radioactivo de hidrogénio) modifica as moléculas de água, e, portanto, é difícil separá-lo. Este ano, uma comissão especial vai considerar três projectos que chegaram à final do concurso internacional para a purificação de água de trítio anunciado pelo Japão. São um projecto russo da companhia RosRAO, outro da empresa norte-americana Kurion e um terceiro, do consórcio canadiano-japonês GE/Hitachi.
No entanto, a purificação da água de trítio é um processo muito dispendioso, por isso, é possível que a água seja lançada para o oceano. Os ambientalistas japoneses exigem que o trítio seja removido da água, apesar de a sua radiação ser mais fraca do que a de estrôncio ou de césio. Mas muitos cientistas dizem que os receios são infundados, porque o trítio é considerado um dos materiais radioactivos menos perigosos produzidos em usinas nucleares. "A radioactividade do trítio é tão fraca que ela não penetra nem mesmo através de um invólucro de plástico", argumenta Shunichi Tanaka, físico japonês, vice-presidente do Instituto de Pesquisas Nucleares (The Nuclear Regulation Authority).

Sem comentários:

Enviar um comentário