domingo, 20 de janeiro de 2019

Excelentes expetativas para o “Mar português”…





A actividade económica, do conhecimento e social do mar continua a crescer. No entanto, para se assegurar um crescimento e desenvolvimento sustentado é preciso o reforço das acções de política pública do mar

O ano de 2019 iniciou com excelentes notícias para o mar, uma delas foi-nos dada na apresentação do “LEME 2018 – Barómetro PwC da Economia do Mar”, onde com base na análise aos dados recolhidos os indicadores demonstraram que o “Mar português” continua a crescer, uma conferência excelente, realizada no dia 11 de Janeiro no pavilhão do conhecimento.
Estes resultados confirmam os dados que a Comissão Europeia disponibilizou no “The 2018 annual economic report on the EU blue economy” que revelam um crescimento da economia do mar em Portugal entre 2009 e 2016 de 26,7%.
Ora, se associarmos estas informações facilmente podemos reconhecer resiliência à actividade económica, do conhecimento e social do mar, resultado de uma forte capacidade de empenho e dinamismo dos seus atores, quer sejam eles trabalhadores, empreendedores, empresários, investigadores e ou agentes sociais e culturais.
É também demonstrado que mesmo em momentos de crise e de alguma turbulência, indecisão e estagnação o “Mar português” mobiliza-se e desenvolve-se. Imagine-se se conseguíssemos alinhar a vontade, determinação e perseverança dos seus actores com acções de política pública do mar adequadas e necessárias!
Mas na verdade o começo do ano não podia ser melhor, inclusive da parte do Governo e Ministra do Mar que se desdobram num anunciar de novas medidas, sendo algumas delas de elevada importância para o desenvolvimento da política pública do mar, como é o caso do novo diploma do regime jurídico do transporte marítimo, que associado à lei para a segurança armada a bordo de navios de bandeira portuguesa aumentam as condições para o crescimento da nossa competitividade neste sector económico.
Outro caso é o Plano de Situação do Ordenamento do Espaço Marítimo, que está na fase final do processo de aprovação e nos oferece um mapeamento e zonamento do espaço marítimo, permitindo aos actores nacionais e internacionais perceberem o potencial de investimento no “Mar português”.
Ainda outro é a aposta nas energias renováveis offshore oceânica, assumida como uma prioridade estratégica pela senhora Ministra do Mar, sendo essencial para tal a conclusão da implementação da zona piloto de energias renováveis oceânicas.
E o anúncio do aumento em cerca de 24% da capacidade de capturas de peixe em 2019, facto que oferece novas condições não só para uma redução da nossa dependência das importações de pescado, como naturalmente melhora as oportunidades para continuar o crescimento das nossas exportações dos produtos da indústria de transformação do pescado.
No entanto, para que tudo isto não esmoreça é preciso reforçar e melhorar o desempenho de algumas acções da política pública do mar, em particular reforçar as medidas que promovam a colaboração e articulação entre os parceiros do mar, o financiamento e a captura de investimento interno e externo, a sua imagem de marca e o plano comunicacional, pois o empenho de centenas de milhares de portugueses o pedem e milhões o desejam, na minha opinião, só deste modo poderemos aspirar a um crescimento e desenvolvimento sustentado e em contínuo do “Mar português”.
Fonte: Abílio Martins Ferreira - Gestor e analista de políticas públicas

domingo, 16 de dezembro de 2018

2018 foi o segundo ano mais quente no Ártico desde que há registo


Este ano, 2018, foi o segundo mais quente no Ártico desde 1900, quando começou a haver registos das temperaturas, aponta um relatório esta semana divulgado.
Em 2018, a temperatura esteve 1,7 graus Celsius mais elevada do que a média dos últimos 30 anos e o aquecimento global foi duas vezes mais rápido do que a média mundial. O recorde absoluto data de 2016.
Os cinco anos mais recentes foram os mais quentes desde que há registos, de acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA), que coordenou um relatório de referência, escrito por mais de 80 investigadores de 12 países.
Aquele organismo depende directamente da administração do presidente norte-americano, Donald Trump, que em Novembro rejeitou um relatório sobre os efeitos das alterações climáticas, da responsabilidade de investigadores federais. Apesar disso, a NOAA publicou este ano a 13.ª edição do relatório sobre o Ártico.
Fonte: ZAP

Metade desta ilha foi engolida pelo oceano em apenas 20 anos


Em apenas 20 anos, a ilha de Ghoramara, na Índia, viu a sua área reduzida para metade. O motivo: a subida do nível das águas que surge em consequência directa do fenómeno das alterações climáticas, confirmam os especialistas ouvidos pela Reuters. A população da ilha de 4,6 quilómetros quadrados sente-se ameaçada. “Se um tsunami ou um grande ciclone atinge esta ilha, nada resistirá”, explicou à agência noticiosa Sanjib Sagar, o líder da única aldeia existente no território. Por esse motivo, e porque a salinização das áreas de terra cultivável está a comprometer a produção agrícola, parte da população pensa em partir. “Todos os anos, as marés invadem a minha quinta e destroem o meu cultivo”, explica Mihir Kumar Mondal, agricultor. Apenas o sector piscícola parece tirar vantagem desta transformação geográfica.

Sheikh Aftab Uddin, um dos 4700 habitantes de Ghoramara, garante que trocaria de morada se o estado interviesse e apoiasse a sua transferência para outro local – o que, apesar dos esforços da população nesse sentido, não parece estar ainda previsto. À semelhança da maioria dos ilhéus, Sheikh não dispõe de recursos financeiros para a mudança, o que torna imperativa a intervenção estatal. De acordo com os especialistas ouvidos pela Reuters, um dia, todos habitantes terão mesmo de deixar as suas casas e partir para outros locais. Porque o futuro é inevitável.

Cidade ecológica vai nascer do oceano nas Maldivas


Os centros urbanos dos países industrializados necessitam de se tornar mais eficientes no aproveitamento energético, para reduzir o impacto ambiental das actividades diárias de uma grande cidade. Mas também os países pequenos podem aproveitar todas as evoluções tecnológicas para ficarem menos dependentes de importações energéticas, ao mesmo tempo que contribuem à sua maneira para reduzir as emissões de carbono. E é nas Maldivas que vai surgir um dos projectos urbanísticos mais ambiciosos dos últimos tempos, com a criação de uma cidade ecológica.
Chamada Ocean’s Heaven, esta cidade vai ser construída completamente de raiz. O projecto foi concebido pela CAA Architechs e vai ser construído pelo Beijing Urban Construction Group, duas firmas chinesas contratadas pelo governo das Maldivas. A cidade vai ser construída em terra reclamada ao mar, ocupando uma área de 60 mil metros quadrados no atol de Hulhumalé, junto ao actual aeroporto internacional que serve este arquipélago do Oceano Índico.
O projecto de Ocean’s Heaven inclui um centro de apoio ao aeroporto, um centro de negócios internacional, centro de convenções, praça central de transportes públicos, duas zonas de comércio, um hotel de luxo centrado em negócios, uma zona cultural com fachada para o oceano e outros serviços. O complexo de edifícios foi pensado para acumular energia, obtida unicamente a partir de energias renováveis, nomeadamente energia solar e maremotriz. Também vai captar água de chuva, já que água potável é um dos recursos mais escassos em ilhas pequenas.
A primeira fase de construção deverá estar pronta em 2021. Ao fazer esta cidade, as Maldivas esperam inspirar o mundo a adoptar formas mais eficientes de consumir energia nas cidades. Ilhas de baixa altitude, muitas delas no formato de atol, são bastante vulneráveis à subida do nível do mar, correndo o risco de desaparecer completamente sob as ondas em caso de aumento global da temperatura média.
Fonte: Motor24

Químicos do plástico diluem-se nos Oceanos e afectam a vida marinha


Estudo científico indica que as alterações no comportamento dos animais marinhos os deixa vulneráveis a ataques dos predadores

Que o plástico afecta o ambiente, o ecossistema e a vida animal já não há dúvidas. Vamos é sabendo ao poucos de que forma e influi em cada espécie através de estudos científicos.

Esta semana foi publicada mais uma investigação que mostra como “esse mal dos males” constrange a existência dos caracóis marinhos (em Portugal também conhecidos como burriés) e os deixa à mercê dos seus predadores.

De acordo com os resultados publicados no jornal científico Biology Letters, os químicos libertados pelo plástico atacam a capacidade dos caracóis marinhos perceberem quando os caranguejos, por exemplo, se aproximam. O normal seria encolherem-se para dentro da sua concha quando detectam perigo, mas a “pegada” química deixada pelo plástico impede que consigam sentir a aproximação do seu caçador.
Os cientistas dizem que “desprovidos da sua capacidade de descortinar o perigo que se aproxima”, estes animais ficam “vulneráveis”.
O plástico está espalhado por todos os Oceanos e os seus efeitos nefastos têm sido visíveis, nomeadamente quando temos notícias de baleias ou tartarugas mortas com estômagos cheios de sacos. No entanto, estes plásticos também contêm vários químicos tóxicos, incluindo aditivos usados na sua produção, além de outras substâncias que absorvem do meio ambiente, que são deixados no mar e prejudicam várias espécies mais pequenas.
“Este é o primeiro estudo deste tipo, que olhou não apenas para a biologia de uma espécie, mas também para as interacções entre a presa e o predador”, disse o professor Laurent Seuront, coordenador do estudo, ao jornal The Independent.

domingo, 25 de novembro de 2018

Uma nova “Estratégia Nacional para o Mar”



Vem aí o momento adequado para refletirmos conjuntamente e para voltarmos a definir o rumo certo para o Mar Português: a revisão da estratégia nacional para o Mar



Da última reunião da Comissão Interministerial para os Assuntos do Mar – CIAM resultou uma sugestão, a renovação e atualização da “Estratégia Nacional para o Mar” que a Sra. Ministra do Mar subscreveu. Assim, irá dar--se início ao processo de renovação e atualização da “Estratégia Nacional para o Mar”, pois, como sabemos, o atual documento-base da política pública do mar terminará o seu período de vida em 2020.
Esta circunstância irá certamente permitir ao governo português, em particular ao Ministério do Mar, abrir um amplo espaço de reflexão e análise sobre o “Mar Português” e proporcionar aos seus diferentes atores institucionais, económicos, sociais, lúdicos, da segurança, do saber e educação o contribuírem e proporem novos caminhos e horizontes para o desenvolvimento e enraizamento da política pública do mar.
Será certamente o momento adequado para diferenciarmos a estratégia do plano de ação para o mar, pois, em meu entender, um plano de ação não deve ser parte do documento de estratégia. Esta incorporação condiciona e limita a sua flexibilidade e atualização, que deverão ser permanentes.
Esta oportunidade será o momento adequado para refletirmos conjuntamente sobre a importância de incorporar na “Estratégia Nacional para o Mar” um compromisso mais amplo e vasto para a exploração e desenvolvimento sustentável do mar como fonte económica e essencial para o futuro de Portugal.
Traduzir também neste documento de estratégia a visão e as linhas programáticas para o mar, agregadoras, estruturantes e revitalizadoras, que procurem colocar Portugal em condições de responder a uma economia cada vez mais global, exigente e competitiva, será um contributo essencial para definirmos o rumo certo para o desenvolvimento do nosso futuro.
E apostar num documento de estratégia que seja capaz de iluminar o caminho que nos conduza a mais e novo conhecimento, a uma governança de eficácia e eficiência, a gerar empresas robustas, a um empreendedorismo renovado e ágil, a um emprego qualificado e especializado, a um mar mais sustentável, é certamente o percurso que todos queremos percorrer e partilhar.
Uma estratégia de longo prazo, de vasta amplitude e enorme abrangência que articule os esforços individuais e coletivos, capaz de potenciar os recursos existentes e emergentes, que impulsione e alicerce o desenvolvimento das atividades de I&D, económicas, culturais, ambientais e sociais associadas ao mar, é o que ambicionamos.
Portugal, com a renovação e implementação da nova “Estratégia Nacional para o Mar”, estará assim, mais uma vez, a assegurar um instrumento para criar as condições de prospetividade, criatividade e inovação que garantam um desenvolvimento articulado e estruturado da política pública do mar.
No entanto, continua a faltar um documento fundamental para a existência formal da política pública do mar, uma Lei de Bases, pois, na minha opinião, só através desta se fundamenta a “Estratégia Nacional para o Mar”, se criam os instrumentos à sua execução, se reformulam as instituições necessárias, se estrutura e identifica o espaço e o seu uso e são assegurados os meios e recursos necessários à materialização da política pública do “Mar Português”.

Texto no Ionline de Abílio Martins Ferreira

Cosco Shipping anuncia construção de 9 navios


A chinesa Cosco Shipping anunciou ter encomendado a construção de 9 navios multipurpose de 62 mil toneladas de porte bruto à empresa Cosco Shipping Heavy Industry, pertencente ao mesmo grupo, num investimento que ronda os 270 milhões de euros.
Cada navio irá custar cerca de 30 milhões e os primeiros irão ser entregues durante o primeiro semestre de 2020, já tendo a empresa anunciado que irão ser utilizados para o transporte de pasta de papel.
Há algumas semanas a empresa já havia anunciado que estava a negociar com vários estaleiros a construção de 20 navios graneleiros.

Fonte: SupplyChain