segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Cientistas descobrem “assassino” dos oceanos que nunca tinha sido detectado


Este “predador” desempenha um papel importante na regulação das populações bacterianas nos oceanos.
Cientistas do Instituto Tecnológico de MAssachusetts, nos EUA, descobriram e estudaram um “habitante” marinho que nunca tinha sido detectado nas amostras de água recolhidas.
Trata-se de um novo tipo de vírus capaz de infectar dezenas de diferentes tipos de bactérias, muitas vezes de espécies diferentes, enquanto que outros vírus típicos “devoram” apenas um tipo de bactérias.
O estudo sobre o novo assassino marinho foi publicado na revista Nature. Este vírus não apresenta uma “cauda” típica noutros vírus e que serve para a sua detecção. O seu genoma é muito curto e, ao contrário dos vírus com cauda, que contam com entre 40.000 e 50.000 bases, tem cerca de 10.000.
O vírus foi baptizado como Autolykiviridae, o nome do personagem da mitologia grega chamado Autólico, que foi difícil de capturar.
Segundo os autores do estudo, os Autolykiviridae poderiam ser fundamentais para o entendimento da evolução dos vírus e desempenham um papel determinante na regulação das populações das bactérias nos oceanos.
“Os vírus sem ‘cauda’ desempenham um importante papel na ecologia do oceano, sendo responsáveis por fracção substancial do assassinato de bactérias”, diz Eugene Koonun, investigador dos Institutos Nacionais da Saúde, NIH, citado pelo MIT.
Koonin sustenta que a descoberta demonstra que a quantidade de vírus sem cauda é comparável àqueles que têm e, segundo estimativas da comunidade científica, predominam no oceano.
Poderá estar então encontrado o maior predador dos oceanos, e ao contrário da ideia comum, não é uma baleia assassina, nem um qualquer tubarão – mas um minúsculo vírus.
Fonte: ZAP Via MIT Foto: Timothywildey / Flickr

Sem comentários:

Enviar um comentário