sábado, 16 de setembro de 2017

Plataforma digital criada pode aumentar sustentabilidade da pesca

Uma plataforma digital criada nas Caldas da Rainha, que permite rastrear o peixe desde a captura até à sua venda e aumentar a sustentabilidade da pesca, foi apresentada na Conferência Mundial do Atum, em Vigo, Espanha.


Desenvolvida pela empresa BitCliq, sediada nas Caldas da Rainha (distrito de Leiria), a plataforma digital "Big Eye Smart Fishing" permite a "gestão de frotas pesqueiras em tempo real", fornecendo dados sobre "todas as operações realizadas em mar e em terra", explicou à Lusa o fundador da empresa, Pedro Manuel.

Através de sensores e de um sistema de informação integrado, a plataforma regista o processo desde que "o barco sai do porto de pesca, a procura de um local onde haja um cardume, o cerco, a captura, a congelação, o desembarque, o transporte, o armazenamento e a entrega final para transformação, exportação ou venda", explicou.
Os dados tratados em terra, "quase em tempo real", permitem aos operadores que "tenham vários barcos no mar em simultâneo e gerir a frota de forma mais eficiente, sabendo qual a quantidade e tipos de espécies capturadas, o seu custo instantâneo, o combustível consumido e em stock, entre outras informações", acrescentou.
A plataforma "que está a revolucionar a indústria da pesca sustentável à escala global" regista ainda "quantos e quem são os tripulantes que estão no barco e as horas de trabalho desenvolvidas durante a viagem", permitindo aferir "as suas condições laborais" e, por outro lado, "permitir-lhes aceder à internet e comunicarem com as famílias", adiantou ainda Pedro Manuel.
O software que permite o total controlo sobre a origem do peixe e as boas práticas dos pescadores e fornecedores é foi apresentado na cidade de Vigo, em Espanha, no âmbito da edição 2017 da Conferência Mundial do Atum, onde se concentra grande parte do mercado alvo da empresa.
O sistema, que começou a ser desenvolvido em 2014 numa frota piloto, está já implementado na Europa, nos Estados Unidos e em fase de ensaios na Tailândia.
Até 2016, registou dados de mais de centena e meia de viagens, com cerca de um mês de duração e com cerca de três dezenas de homens a bordo.
Segundo dados disponibilizados pela empresa, foram "mais de cinco mil atividades diárias registadas, mais de 60 mil toneladas capturadas, 23 mil ações de captura e 40 mil registos de pesagem no desembarque".
A empresa registou ainda" mais de 11.500 transacções de dados via satélite e o lançamento bem sucedido de uma dezena de actualizações automáticas de software em alto mar".
Actualmente com cerca de uma dezena de trabalhadores, a maioria dos quais engenheiros informáticos, a empresa está em fase de expansão da área comercial e de marketing para levar a plataforma a mais empresas de pescado e conservação em vários países do mundo.
Mas o próximo projecto de Pedro Manuel é estender a rastreabilidade digital "até ao consumidor", através de um rótulo digital em que que "através de uma aplicação no telemóvel o consumidor tenha acesso a toda a informação sobre o peixe que está a comprar".
Mas até lá, a 'start-up' portuguesa vai continuar a levar o "big eye" a fóruns internacionais ligados à pesca, o próximo dos quais nos Açores, em Outubro.

Sem comentários:

Enviar um comentário