domingo, 20 de janeiro de 2019

Excelentes expetativas para o “Mar português”…





A actividade económica, do conhecimento e social do mar continua a crescer. No entanto, para se assegurar um crescimento e desenvolvimento sustentado é preciso o reforço das acções de política pública do mar

O ano de 2019 iniciou com excelentes notícias para o mar, uma delas foi-nos dada na apresentação do “LEME 2018 – Barómetro PwC da Economia do Mar”, onde com base na análise aos dados recolhidos os indicadores demonstraram que o “Mar português” continua a crescer, uma conferência excelente, realizada no dia 11 de Janeiro no pavilhão do conhecimento.
Estes resultados confirmam os dados que a Comissão Europeia disponibilizou no “The 2018 annual economic report on the EU blue economy” que revelam um crescimento da economia do mar em Portugal entre 2009 e 2016 de 26,7%.
Ora, se associarmos estas informações facilmente podemos reconhecer resiliência à actividade económica, do conhecimento e social do mar, resultado de uma forte capacidade de empenho e dinamismo dos seus atores, quer sejam eles trabalhadores, empreendedores, empresários, investigadores e ou agentes sociais e culturais.
É também demonstrado que mesmo em momentos de crise e de alguma turbulência, indecisão e estagnação o “Mar português” mobiliza-se e desenvolve-se. Imagine-se se conseguíssemos alinhar a vontade, determinação e perseverança dos seus actores com acções de política pública do mar adequadas e necessárias!
Mas na verdade o começo do ano não podia ser melhor, inclusive da parte do Governo e Ministra do Mar que se desdobram num anunciar de novas medidas, sendo algumas delas de elevada importância para o desenvolvimento da política pública do mar, como é o caso do novo diploma do regime jurídico do transporte marítimo, que associado à lei para a segurança armada a bordo de navios de bandeira portuguesa aumentam as condições para o crescimento da nossa competitividade neste sector económico.
Outro caso é o Plano de Situação do Ordenamento do Espaço Marítimo, que está na fase final do processo de aprovação e nos oferece um mapeamento e zonamento do espaço marítimo, permitindo aos actores nacionais e internacionais perceberem o potencial de investimento no “Mar português”.
Ainda outro é a aposta nas energias renováveis offshore oceânica, assumida como uma prioridade estratégica pela senhora Ministra do Mar, sendo essencial para tal a conclusão da implementação da zona piloto de energias renováveis oceânicas.
E o anúncio do aumento em cerca de 24% da capacidade de capturas de peixe em 2019, facto que oferece novas condições não só para uma redução da nossa dependência das importações de pescado, como naturalmente melhora as oportunidades para continuar o crescimento das nossas exportações dos produtos da indústria de transformação do pescado.
No entanto, para que tudo isto não esmoreça é preciso reforçar e melhorar o desempenho de algumas acções da política pública do mar, em particular reforçar as medidas que promovam a colaboração e articulação entre os parceiros do mar, o financiamento e a captura de investimento interno e externo, a sua imagem de marca e o plano comunicacional, pois o empenho de centenas de milhares de portugueses o pedem e milhões o desejam, na minha opinião, só deste modo poderemos aspirar a um crescimento e desenvolvimento sustentado e em contínuo do “Mar português”.
Fonte: Abílio Martins Ferreira - Gestor e analista de políticas públicas